Os 3 melhores livros dos grandes Charles Bukowski

Bem-vindo ao Mundo Bukowski, o escritor irreverente por excel√™ncia, autor de livros viscerais que espalham a bile por todas as √°reas da sociedade (desculpe se foi muito ‚Äúvisual‚ÄĚ). Al√©m de abordar esse g√™nio com cita√ß√Ķes de memes e com as quais recuperar suas engenhosas vis√Ķes da exist√™ncia mais mundana, a leitura final de suas obras √© a vida crua inoculada na veia.

Porque Charles Bukowski foi um escritor temperamental que um belo dia resolveu escrever o que queria e que acabou coagulando numa multid√£o de leitores que acabaram por idolatr√°-lo por sua rebeli√£o niilista, por seu toque fatalista e por sua forma de revisitar a vida tr√°gica sob o prisma de um humor c√°ustico.

A literatura precisa de figuras como a deste autor comprometido com o nada, com a nega√ß√£o, com a rebeli√£o s√≥ por ela, com o desencanto. E apesar de tudo isso, Os personagens de Bukowski oferecem vislumbres brilhantes da humanidade quando de vez em quando confessam que tamb√©m sentem, elevando esses sentimentos ao mais alto n√≠vel, como quem cospe para o c√©u e espera destemido pela √ļnica resposta poss√≠vel vindo de um c√©u calmo e sujeito √† in√©rcia ...

Não foram muitos os romances que este escritor escreveu, e graças a isso é fácil para mim parar em sua bibliografia e estabelecer esses três melhores livros.

Pero antes, si ya eres conocedor del gran Bukowski, querría invitarte a consultar algunos otros títulos, ediciones especiales, recopilatorios de poesía tan nihilista y hedonista como su prosa, voluménes que conjuntan o que acercan a una de las bibliografías más desenfadas de la historia de a literatura:

CLIQUE NO LIVRO QUE INTERESSE A VOCÊ:
Volume de Bukowski

E agora sim, vamos comigo seleção de romances de Bukowski...

3 romances recomendados de Charles Bukowski

Cartero

Como quase toda a sua obra, o protagonista é ele. Trabalhar como carteiro foi uma viagem ao caminho grotesco para Charles. Deve ter sido extremamente interessante ver um carteiro meio bêbado vagando pelas ruas, expondo sua anti-filosofia de vida a quem o encontrasse ou que tentasse manter uma conversa o mínimo cordial. Neste romance, é contado um fragmento da vida de seu alter ego Chinaski.

Resumo: En Cartero descreve os doze anos em que trabalhou em uma decadente agência de correios de Los Angeles. O livro termina quando Chinaski / Bukowski deixa a miserável segurança de seu emprego, aos 49 anos, para se dedicar exclusivamente à escrita. E ele escreve Postman, seu primeiro romance.

Bukowski Foi um dos mais importantes escritores americanos da contracultura durante as décadas de 60 e 70 do século XX, um veterano que sobreviveu a todos os seus companheiros de geração, mantendo sempre uma atitude cínica e combativa.

Carteiro de Bukowski

Faz-tudo

Neste romance, retrocedemos ainda mais na vida do gênio da prosa mais prosaica. Uma obra para desvendar a natureza interna deste escritor tão grande quanto extravagante.

Resumo: Neste romance autobiográfico de sua juventude, o autor descreve a vida de seu alter ego Henry Chinaski pulando de um emprego para outro, todo sórdido, duro, sem sentido, embriagado até a morte, com a obsessão de trepar, tentando materializar seu trabalho de escritor vida e nos oferece uma visão brutalmente engraçada e melancólica horrorizada da ética do trabalho, de como ela dobra a "alma" dos homens.

Diz-se que Bukowski com sua prosa lac√īnica, concisa e contundente como um uppercut √© o atroz romancista da grande selva urbana, dos deserdados, das prostitutas, dos b√™bados, do desperd√≠cio humano do Sonho Americano.

Factotum de Bukowski

Polpa

Uma de suas poucas obras em que Chinaski n√£o parece dar uma boa conta da insignific√Ęncia da vida. Nesse caso, o autor nos leva a Los Angeles para dar uma boa sacudida no mundo do celul√≥ide e do entretenimento.

Resumo: Em Los Angeles, h√° um boato muito estranho. Diz-se que uma certa C√©line, que ronda as livrarias inspecionando o concurso e √† procura das primeiras edi√ß√Ķes de Faulkner, seria nada mais nada menos que Louis Ferdinand, que n√£o teria morrido em 1961 em Meudon.

Nick Belane, um detetive particular muito pouco inteligente, é o encarregado de descobrir a verdade. E quem quer saber? Uma senhora muito fatal, talvez a mais fatal de todas, que não aceita que Céline pudesse ter escapado de seu encanto mortal. Mas de repente a temporada de trabalho tornou-se muito boa para Nick e ele tem vários outros negócios em mãos: encontrar o Red Sparrow, que não é o neto do Falcão Maltês de um certo John Barton, e descobrir se Cindy, a esposa de Jack, Bass, trai em seu marido.

Mas, como Raymond Chandler demonstrou de forma tão completa, todos os casos de detetive sempre estão ligados entre si, e uma confusão considerável acontecerá entre Cindy e Céline. "Pulp", o mais recente romance de Bukowski, é uma paródia e homenagem a todas as "pulp fictions" que estiveram no papel, e uma "pulp fiction" real, literária e sangrenta por direito próprio, que recorre à tragédia e ao humor, à literatura e as chaves para a realidade mais pura e dura, o real e o surreal.

Polpa de Bukowski

Outros livros recomendados Charles Bukowski

Hollywood

As experiências de Hollywood soam como algo como metacinema para nós. Atores, roteiristas e outras raças vivendo vidas dobradas por si mesmos, tornando-se atores em seu roteiro. A partir daí qualquer história se escreve entre o paródico e o satírico. Tudo isto coberto por uma pátina ou lantejoulas que Chinaski se encarrega de lixar com estridência até à lasca de uma realidade que se desfaz.

Henry Chinaski sempre esteve em pé de guerra, nunca baixando a guarda contra o "sistema" e seus tentáculos infinitos. Mas em Hollywood não será fácil para ele: John Pinchot, um diretor de cinema enlouquecido, insiste em trazer para a tela suas histórias juvenis, ou seja, a autobiografia de um alcoólatra inveterado.

Chinaski desconfia do projeto, embora relutantemente concorde em escrever o roteiro do filme. E aqui começam os verdadeiros problemas. Bukowski conta neste livro as experiências de seu alter ego Chinaski durante as filmagens do filme Barfly, dirigido por Barbet Schroeder e interpretado por Mickey Rourke e Faye Dunaway.

Uma vis√£o sarc√°stica, √°cida e corrosiva dos bastidores de Hollywood em que desfilam personagens curiosos e exc√™ntricos: produtores, hacks, artistas de tudo que se possa imaginar, executivos fantasmas, jornalistas... Um mundo cruel onde tudo gira ao ritmo do sacrossanto d√≥lar, que paradoxalmente √© a √ļnica forma de realizar os sonhos mais subversivos e as empresas mais loucas.

Hollywood
4.9 / 5 - (26 votos)

Deixe um coment√°rio

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de coment√°rio s√£o processados.